Explorando a Profundidade Humana – Análise de “37 Segundos”

Man climbs CN Tower steps in wheelchair

Escrito por Ricardo Shimosakai

27 de agosto de 2023

Introdução: O mundo do cinema muitas vezes atua como uma janela para a exploração dos temas mais complexos e profundos da experiência humana. “37 Segundos”, um filme japonês dirigido por Hikari, é um exemplo primoroso dessa capacidade cinematográfica. Este artigo analítico se debruçará sobre as várias camadas deste drama, que mergulha nas questões de identidade, autodescoberta e superação, enquanto acompanha a jornada de uma jovem artista com paralisia cerebral. Com uma narrativa envolvente e performances cativantes, o filme oferece uma visão única sobre as batalhas internas e externas enfrentadas por indivíduos em busca de sua própria voz e significado.

37 segundos. Uma Breve Sinopse:

“37 Segundos” narra a história de Yuma, uma artista de mangá talentosa, porém com paralisia cerebral. Presa em um corpo que muitas vezes a limita, ela almeja independência e reconhecimento em um mundo competitivo e desafiador, onde a criação de mangás é uma tarefa exigente. A jornada dela é repleta de obstáculos, incluindo uma mãe superprotetora e um agente que nem sempre é confiável. No entanto, a trama se concentra não apenas nas adversidades externas, mas também nas batalhas internas de Yuma enquanto ela explora sua sexualidade e busca sua própria identidade. A jornada emocional de Yuma culmina em um clímax poderoso e comovente.

Explorando a Identidade: Um dos pilares fundamentais de “37 Segundos” é a exploração da identidade. A deficiência física de Yuma a coloca em uma posição única na sociedade, muitas vezes deixando-a à margem dos padrões convencionais de beleza e sucesso. No entanto, o filme desafia essas noções pré-concebidas. Ele nos faz questionar por que tendemos a definir as pessoas com base em sua aparência externa e suas capacidades físicas, enquanto ignoramos a riqueza de sua experiência interna. A jornada de autodescoberta de Yuma nos lembra da importância de olhar além das aparências e valorizar a riqueza da alma humana.

Autodescoberta e Empoderamento: Ao longo do filme, Yuma se transforma de maneira significativa. Sua jornada de autodescoberta é comovente e inspiradora. Ela desafia as expectativas impostas a ela, incluindo as da mãe superprotetora, e encontra coragem para explorar territórios desconhecidos. Um aspecto notável dessa exploração é a descoberta de sua própria sexualidade, um tema poderoso e delicado. A maneira como Yuma abraça essa parte de sua identidade a leva a uma jornada de empoderamento e autoaceitação. Isso enfatiza a mensagem de que, independentemente das adversidades, todos têm o direito de reivindicar seu espaço e identidade no mundo.

Relações Complexas: Além disso, “37 Segundos” também mergulha nas complexidades das relações humanas. A relação entre Yuma e sua mãe é um exemplo vívido disso. Eles compartilham um vínculo profundo de amor, mas também é marcado por um excesso de proteção e conflitos. Essa dinâmica reflete as lutas que muitas pessoas com deficiência enfrentam em suas relações familiares, onde o desejo de independência muitas vezes entra em conflito com as preocupações e o zelo dos entes queridos. A relação de Yuma com seu agente, que nem sempre tem as melhores intenções, também exemplifica as complexidades das interações humanas e as dificuldades que as pessoas com deficiência podem enfrentar ao navegar em um mundo muitas vezes insensível.

A Jornada Universal: Embora “37 Segundos” seja profundamente enraizado na cultura japonesa e nas experiências de deficiência, os temas explorados são universalmente relevantes. A busca pela identidade, a autodescoberta, o empoderamento e as complexidades das relações interpessoais são temas que ressoam com públicos de todas as origens culturais. O filme transcende barreiras culturais, lembrando-nos de nossa busca compartilhada por conexão, significado e autenticidade.

Conclusão: Em resumo, “37 Segundos” é uma obra cinematográfica que penetra profundamente na essência da experiência humana. Ele oferece uma visão sensível e comovente das lutas internas e externas enfrentadas por indivíduos em busca de autenticidade e significado. Ao mergulhar na vida de Yuma, o filme nos incentiva a enxergar além das limitações físicas e das expectativas sociais, e a celebrar a diversidade e profundidade inerentes a cada ser humano. Com uma narrativa envolvente e atuações brilhantes, “37 Segundos” deixa uma impressão duradoura, convidando-nos a refletir sobre nossas próprias jornadas de autodescoberta e empoderamento.

O filme atualmente está disponível na Netflix. Veja outros filmes com a temática da pessoa com deficiência, clicando aqui. Ricardo Shimosakai, sempre pesquisa assuntos diversos sobre a pessoa com deficiência, e os filmes muitas vezes, além de entreter, também ensina. Por isso, alguns trechos de filmes são utilizados em suas aulas e também nos seus conhecidos cursos online. Alguns também são citados em suas palestras através do diversos locais no Brasil e exterior, e também serve de referência em seus treinamentos. Sua procurada consultoria em acessibilidade, serviria para solucionar todos os problemas apresentados no filme, pela sua vasta experiência. Veja mais conhecimento e dicas de filmes no perfil do Instagram e no canal do YouTube.

 

Compartilhe acessibilidade

Ajude outras pessoas a se manterem atualizadas com nosso conteúdo voltado para a acessibilidade

Curso Online
Comprar Acervo Digital

Você pode gostar……

Seus comentários são bem-vindos!

0 comentários

Enviar um comentário

" });